Investigadores da NMS ganham financiamento da Michael J. Fox Foundation

Os investigadores Hugo Vicente Miranda e Maria Paula Macedo ganharam financiamento da Fundação Michael J. Fox para perceber se a enzima degradadora da insulina tem um efeito protetor na perda de neurónios no cérebro, em modelos pré-clínicos da Doença de Parkinson e da Diabetes tipo 2.

É sabido que na doença de Parkinson (DP), a aglomeração da proteína alfa-sinucleína no cérebro pode levar à morte dos neurónios e foi recentemente demonstrado que a enzima degradadora da insulina (IDE) previne a agregação da alfa-sinucleína no pâncreas. Adicionalmente, sabe-se que em indivíduos idosos e em pacientes com diabetes tipo 2 os níveis da enzima IDE estão diminuídos.

Com base nestas premissas, Hugo V. Miranda e a sua equipa, vão investigar o papel da enzima IDE no cérebro, em modelos animais para perceberem se esta enzima também confere algum efeito protetor no cérebro. Especificamente a equipa de investigadores vai usar ratinhos com DP e Diabetes tipo 2, que apresentam níveis reduzidos da enzima IDE, e testar se compensar a perda de IDE ou aumentar seus níveis no cérebro, pode prevenir ou interromper a patologia da alfa-sinucleína. 

Por outras palavras, podemos  imaginar que a enzima degradadora da insulina é uma máquina que está constantemente a impedir que uma proteína pegajosa (alfa-sinucleína) se agregue dentro dos neurónios. Com a diabetes ou com o envelhecimento essa máquina deixa de funcionar corretamente, o que leva a proteína pegajosa a aglomerar-se e a tornar-se tóxica para os neurónios. Com este projeto, os investigadores pretendem reparar a máquina e aumentar o seu número no cérebro para impedir que a proteína pegajosa se aglomere provocando danos nos neurónios, impedindo a progressão da Doença Parkinson.

esquema hvm mjff

Este financiamento, ganho em colaboração com Luisa Lopes, investigadora do Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, terá um elevado impacto nos grupos de investigação envolvidos e irá permitir que sejam recrutados mais investigadores para trabalhar nesta área.

Para Hugo V. Miranda, coordenador deste projeto, receber financiamento da MJFF é um enorme privilégio. Hugo V. Miranda especifica que "em primeiro lugar, este prémio vai permitir à minha equipa investigar uma nova estratégia terapêutica para a DP, que é o foco do laboratório, respondendo a uma necessidade urgente destes pacientes", e para além disso, considera também que ser premiado pela MJFF é "uma clara validação de que nossa estratégia de investogação é extremamente translacional e internacionalmente reconhecida".

No plano global, este projeto contribui diretamente para os Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 3 (ODS 3) - Saúde de Qualidade, uma vez que o seu sucesso ajudará a promover o bem-estar e uma vida mais saudável para os doentes com Doença de Parkinson e Diabetes tipo 2 e, em particular, para a população idosa, com maior risco de desenvolver estas doenças.

Hugo Vicente Miranda
Principal Investigator
Maria Paula Macedo
Principal Investigator (PI)

DysBrainD - Dismetabolismo em doenças do Cérebro

Hugo Vicente Miranda